DESPACHO DO TRIBUNAL DA FUNÇÃO PÚBLICA DA UNIÃO EUROPEIA

(Primeira Secção)

10 de setembro de 2014

Processo F‑44/09 DEP

Brigitte Knöll

contra

Serviço Europeu de Polícia (Europol)

«Função pública ― Tramitação processual ― Fixação das despesas»

Objeto:      Pedido de fixação de despesas, apresentado por B. Knöll nos termos do artigo 92.° do Regulamento e Processo, na sequência do acórdão proferido no processo Knöll/Europol (F‑44/09, EU:F:2010:68).

Decisão:      O montante total das despesas a reembolsar pelo Serviço Europeu de Polícia a B. Knöll é fixado em 1 343,18 euros, acrescido de juros moratórios a partir da data da notificação do presente despacho até à data de pagamento, à taxa calculada com base na taxa fixada pelo Branco Central Europeu para as operações principais de refinanciamento, aplicável durante o período mencionado, majorada de dois pontos.

Sumário

Processo judicial ― Despesas ― Fixação ― Despesas recuperáveis ― Elementos a ter em consideração ― Acordo relativo aos honorários celebrado entre uma parte e o seu advogado ― Exclusão

[Regulamento de Processo do Tribunal da Função Pública, artigo 91.°, b)]

O juiz da União não está habilitado a fixar os honorários devidos pelas partes aos seus próprios advogados, mas está habilitado a determinar até que montante essas remunerações podem ser reembolsadas pela parte condenada nas despesas. Daqui resulta que a prova do pagamento das despesas cuja recuperação é pedida não é necessária para fins de fixação, pelo Tribunal, das despesas recuperáveis.

Com efeito, ao decidir a respeito de um pedido de fixação de despesas, o juiz da União não tem que tomar em consideração um eventual acordo celebrado, a este respeito, entre a parte interessada e os seus agentes ou mandatários.

Consequentemente, o facto de ter sido decidido, nos termos de um acordo celebrado entre a recorrente e os seus advogados, que a primeira não pagaria honorários aos segundos, não tem incidência sobre o direito da recorrente a recuperar as despesas efetuadas no âmbito do processo principal.

(cf. n.os 14, 19 e 20)

Ver:

Tribunal de Justiça: despachos Leeuwarder Papierwarenfabriek/Comissão, 318/82, EU:C:1985:468, n.° 2; C.A.S./Comissão, C‑204/07 P‑DEP, EU:C:2009:526, n.° 13; e Kronofrance/Alemanha e o., C‑75/05 P‑DEP e C‑80/05 P DEP, EU:C:2013:458, n.° 30